Arriscar ou não arriscar? Eis a questão essencial do Planejamento, do Gerenciamento de Riscos e do Seguro!

“Riscos devem ser assumidos ou transferidos. Jamais ignorados!”

[responsivevoice_button voice=”Brazilian Portuguese Female” buttontext=”Ouça este artigo”]

 

Fique por dentro do meu blog

 

Planejar visando atingir qualquer nossos objetivos no futuro, implica em tomarmos decisões frente a incerteza. Assim, para termos qualquer chance de atingir efetivamente um objetivo planejado, é preciso identificar os riscos envolvidos, avalia-los financeiramente, para e finalmente decidir se, e como, iremos aborda-los.

Gerenciamento de Riscos

A este processo metódico de identificação, avaliação e decisão frente aos riscos envolvidos na obtenção de um objetivo planejado chamamos, portanto, de gerenciamento de riscos. Seu objetivo é determinar a forma mais conveniente, eficiente e segura possível de aborda-los, e, consequentemente, de atingir estes objetivos no futuro.

O gerenciamento de risco é uma importante ferramenta de planejamento financeiro utilizado nas mais diversas atividades pessoais ou corporativas. Elas vão desde o planejamento pra a formação de fundos de aposentadoria e educação, passando pelo planejamento de carteiras de investimentos, até o planejamento de rentabilidade e lucratividade dos mais diversos empreendimentos comerciais ou industriais no decorrer do tempo.

Riscos Especulativos e Puros

Essencialmente o gerenciamento de risco lida com dois tipos de risco: os riscos patrimoniais especulativos, que assumimos voluntariamente na busca do lucro, e com os inevitáveis riscos de dano que dele decorrem, e que chamamos de riscos puros. Estes últimos são seguráveis em determinadas condições, e, portanto, serão o foco deste artigo.

Mais sobre riscos Puros: Confira as 6 características essenciais de um risco segurável

Avaliação de Risco

Uma vez que todos os riscos puros envolvidos na obtenção de um objetivo planejado sejam identificados, a próxima tarefa é avalia-los financeiramente. A ciência que se dedica, entre outros, a avaliação financeira de um risco é chamada de ciência atuarial, ou simplesmente, cálculo atuarial. Seu objetivo, portanto, é prognosticar o seu desfecho financeiro no futuro.

Mais sobre cálculo atuarial: Compreenda o cálculo atuarial em 5 parágrafos! E uma sugestão de Cinema…

Arriscar ou Não Arriscar?

Este prognóstico nos permite avaliar os riscos envolvidos na obtenção de um objetivo, dando nos subsídios necessários para decidir se iremos assumi-los, ou evitá-los. Em outras palavras se iremos arriscar ou não arriscar.

Uma vez que a decisão seja de assumi-los, a próxima etapa, é identificar e avaliar as formas mais convenientes eficientes e seguras de para controla-los. Isto equivale a decidir o quanto, e de que forma estamos dispostos a arriscar.

Controle de Risco. Quanto e como arriscar?

Controlar um risco significa, portanto, reduzir a sua possibilidade de dano, e uma vez que esta possibilidade de dano tenha sido reduzida ao máximo razoavelmente possível, adotar medidas para torna-la financeiramente suportável. No primeiro caso estamos nos referindo a medidas de controle físico, e no segundo, a medidas de controle financeiro de um risco.

Controle Físico

Controlar um risco fisicamente equivale a adotar medidas destinadas a reduzir, tanto a frequência como a severidade, com que determinados danos possam ocorrer. Vejamos alguns exemplos.

Reduzindo a Frequência de Danos

Trancar a porta de uma residência, ou de um escritório, é um habito que reduz a frequência com que roubos ocorrem. Ao adotar esta medida simples, estamos, portanto, reduzindo o risco de dano patrimonial em consequência de roubo em nossos imóveis.

Da mesma forma, dimensionar adequadamente as instalações elétricas de um edifício, e mantê-las em bom estado de conservação, reduz a frequência com que um curto circuito, ou incêndio, ocorrem. Quando adotamos estas medidas em nossos edifícios estamos, de fato, reduzindo o risco patrimonial de dano elétrico, e de incêndio em imóveis.

Reduzindo a Severidade dos Danos

O habito de afivelar o cinto de segurança em viagens de automóvel, ou de avião, tende a reduzir a severidade de lesões corporais, em caso de acidente. Ao adotarmos esta medida, estamos, da mesma forma, reduzindo o risco de lesão corporal associado a estes tipos de acidentes.

O habito de instalar dispositivos de proteção, como brigadas, extintores, hidrantes ou chuveiros automáticos, tende a reduzir a severidade dos danos decorrentes de incêndio, que possam atingir imóveis e seu conteúdo. Ao implementar e manter estes dispositivos em imóveis, estamos, também, reduzindo o risco patrimonial de incêndio a eles associado.

O Risco Genuinamente Puro

Pode-se dizer, portanto, que um risco está fisicamente controlado, quando a sua possibilidade de dano for reduzida ao máximo razoavelmente possível. Neste caso, ele passa a estar acima de qualquer outro controle físico razoável, e, portanto, a ser um risco inevitável. Somente nestas circunstâncias, ele pode ser considerado, genuinamente, como um risco puro.

Controle Financeiro

Assim, por mais medidas de controle que adotemos para reduzir fisicamente um risco puro, ele jamais poderá ser completamente eliminado. E a medida em que seu impacto financeiro ainda possa ser significativo, é preciso tomar medidas para torna-lo financeiramente suportável. Estas são, portanto, medidas de controle financeiro de um risco.

Fundo de Reservas

A única forma planejada de tornar o impacto financeiro de um risco suportável, é absorve-lo em um fundo de reservas adequado. Sempre é possível formar este fundo de uma vez, mas a realidade é que poucas pessoas, ou empresas, têm disposição, ou capacidade financeira, para tanto. Devemos lembrar que dinheiro é um bem caro, escasso e, portanto, precioso.

Contribuições Periódicas

Assim a forma mais comum de formar e manter um fundo de reservas adequado, é a contribuição periódica. Trata-se simplesmente do conceito de poupança. Normalmente poupamos para fazer frente a despesas previstas no futuro, como a compra de um imóvel, a aposentadoria ou a educação superior dos nossos filhos.

Mas, também, poupamos para nos prevenir de despesas imprevistas, como é o caso da possibilidade de dano inerente aos riscos puros.

Equilíbrio Financeiro

Mas neste caso, como seria possível determinar o valor de um fundo de reservas adequado para cobri-las, ou mesmo, o valor adequado a ser contribuído periodicamente, para forma-las no decorrer do tempo? Mais uma vez o cálculo atuarial vem em nosso auxílio.

Ele nos permite determinar matematicamente estes parâmetros, para um determinado risco específico, de forma a que haja um equilíbrio financeiro entre contribuições periódicas, e os danos que provavelmente afetarão o nosso patrimônio no decorrer do tempo.

Mecanismos de Controle Financeiro

O controle financeiro de um risco pode ser implementado por meio de mecanismos financeiros atuariais cuja função é financiar o impacto financeiro de um risco, ou grupo de riscos, ao longo do tempo, ao invés de arca-lo de uma vez. Existem, fundamentalmente, dois tipos de mecanismos destinados a este fim: a retenção financeira e a transferência financeira de risco.

Retenção Financeira de Risco

Reter financeiramente um risco significa assumi-lo de forma planejada, absorvendo seu impacto financeiro, por meio de um fundo de reservas próprio e exclusivamente destinado a esta fim. A retenção de risco é uma forma efetiva para o controlar financeiramente um risco, mas tem uma importante desvantagem.

Formar um fundo de reservas próprio e exclusivo exige o bloqueio de preciosos recursos financeiros, que poderiam ser melhor aproveitados, ou melhor remunerados. Por este motivo, a retenção financeira de riscos é normalmente utilizada somente por governos ou grandes corporações.

Para aqueles que não tenham a capacidade financeira para uma retenção de risco, ou julguem que ela é menos eficiente em termos financeiros, alternativa natural é o mecanismo de transferência financeira de risco.

Transferência Financeira de Risco

A rigor, a expressão transferência financeira de risco não é muito apropriada. Um risco puro não pode ser fisicamente evitado, e muito menos transferido a quem quer que seja. O que realmente se transfere por meio deste mecanismo é o seu desfecho financeiro.

O Fundo Comum de Reservas

A diferença fundamental entre uma transferência e uma a retenção de risco, é que a primeira tem por base um fundo comum de reservas, administrado por instituições financeiras remuneradas, e para o qual diversas pessoas, físicas ou jurídicas, contribuem periodicamente. O mecanismo de transferência financeira de risco mais comum e familiar a maioria das pessoas, é o contrato de seguro.

Pelo contrato de seguro, temos a opção de transferir o desfecho financeiro de um risco puro, a um fundo comum, administrado por um segurador, mediante uma contribuição periódica chamada de prêmio.

A Decisão Financeira e Estratégica do Seguro

Como podemos constatar, o seguro nada mais é do que uma das possíveis alternativas de lidarmos financeiramente com um risco, como parte de um processo mais abrangente de planejamento financeiro e que inclui o gerenciamento de riscos.

Consultoria Independente em Seguro. Saiba o que é, e como contratar aqui

E para que ele realmente possa ser transferido a uma seguradora de uma forma eficiente, devemos antes, torna-lo segurável. Não em benefício da seguradora, mas em beneficio dos nossos objetivos financeiros.

Isto significa decidir se realmente queremos arriscar, como e quanto queremos arriscar, e finalmente, se esta estratégia de risco é aceitável para uma transferência eficiente e equitativa a uma seguradora.

Somente desta forma, estaremos utilizando o risco e o seu seguro como uma forma conveniente, eficiente e segura de atingir nossos objetivos pessoais e empresariais no decorrer do tempo.

Mais sobre gerenciamento de riscos aqui: Somos todos gerentes de risco natos. Saiba por que e, de quebra, entenda o que é isso!

Se voce gostou deste artigo, gostaria de fazer alguma observação, elogio, ou mesmo alguma correção que julgue necessária, utilize a área de comentário logo a seguir. Terei o  maior prazer de atender a todos!

Forte abraço a todos, boa semana e bons negócios!

Mauricio Carasso

 

Fique por dentro do meu blog